top of page
  • André Martins

Uma 'Mão de Ferro' robótica pode proteger os trabalhadores da fábrica de ferimentos

Trabalhar em uma fábrica ou armazém pode significar fazer a mesma tarefa repetidamente, e essa repetição pode levar a lesões crônicas. Agora, uma luva movida a bateria pode ajudar os trabalhadores, aguentando um pouco da tensão.

A luva Ironhand ("Mão de Ferro") fortalece a aderência do usuário, o que significa que ele não precisa usar tanta força para realizar tarefas manuais repetitivas. Seu desenvolvedor, Bioservo, diz que pode aumentar a força da mão do usuário em 20%.


A empresa descreve o sistema como um "exoesqueleto macio". Os exoesqueletos são um dispositivo externo que suporta e protege o corpo, geralmente aumentando a força e a resistência. A maioria tem uma estrutura rígida, mas o Ironhand é macio, como uma luva normal.


Reduzindo a fadiga

Quando você está com a luva, ela fornece resistência e reduz o esforço necessário ao levantar objetos. Tudo para reduzir a fadiga e evitar lesões por esforço a longo prazo.


O sistema consiste em uma mochila, que abriga a fonte de alimentação, e tendões artificiais que se conectam à luva. Existem sensores em cada ponta do dedo que ligam o motor quando um usuário pega um objeto. Um controle remoto ou aplicativo pode ser usado para ajustar a força e a sensibilidade do aperto.


Wester diz que as aplicações incluem montagem na linha de produção na indústria automotiva, uso de ferramentas na construção e levantamento de objetos pesados ​​em armazéns.


Cada sistema Ironhand custa cerca de $ 7.275 (R$ 34.700). O dispositivo também coleta dados que permitem à empresa avaliar o risco do usuário de desenvolver lesões por esforço.


De acordo com a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho, as doenças do pescoço e dos membros superiores relacionadas com o trabalho são a doença profissional mais comum na Europa , custando às economias nacionais até 2% do seu produto nacional bruto.


Da NASA para a General Motors

A luva foi originalmente destinada a trabalhadores em um ambiente muito diferente do chão de fábrica. A NASA desenvolveu uma versão inicial da tecnologia, chamada Robo-Glove ("Luva Robótica"), para ajudar os astronautas a pegar objetos e realizar trabalhos no espaço.


A Bioservo licenciou o design em 2016 e depois fez uma parceria com a fabricante de automóveis General Motors para desenvolver a luva para seus trabalhadores.


"A ergonomia é realmente o campo de tentar ajustar os trabalhos aos trabalhadores, em vez de os trabalhadores terem que se conformar e se adaptar ao trabalho", diz Krajcarski, gerente sênior da equipe de ergonomia da GM.


“Ao usar ferramentas como o Ironhand, estamos realmente tentando mitigar quaisquer preocupações potenciais ou demandas físicas que possam eventualmente causar uma preocupação médica para esse operador individual”.


Krajcarski diz que a GM ajudou a Bioservo a testar e melhorar o Ironhand pilotando-o em uma variedade de trabalhos em suas fábricas.


Ele diz que alguns trabalhadores acharam fácil de usar, mas acrescenta que não é adequado para todas as situações.


O Ironhand é apenas um dos exoesqueletos que a GM está investigando. De acordo com a empresa de pesquisa de mercado ABI Research, o mercado de exoesqueletos ainda crescerá.

5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page