top of page
  • André Martins

Rússia 'muito provavelmente' invadirá a Ucrânia, diz alto funcionário dos EUA

É "muito provável" que a Rússia vá invadir a Ucrânia e isso só pode ser impedido por "enormes sanções", disse Adam, o presidente do comitê de inteligência da Câmara dos EUA, no domingo, informa o The Guardian.

Acho que seriam necessárias sanções enormes à Rússia para deter o que parece ser uma invasão russa à Ucrânia novamente", disse Schiff. "E acho que nossos aliados precisam estar solidamente a bordo disso. A Rússia precisa entender que estamos unidos nisso."


As descobertas da inteligência dos EUA, publicadas em dezembro no Washington Post , estimam que a Rússia poderá iniciar uma ofensiva militar na Ucrânia em questão de meses.


As descobertas indicam que a Rússia pode começar a ofensiva "logo no início de 2022" com 100 grupos táticos de batalhão, o que é o dobro da escala de forças que a Rússia reuniu na região na primavera passada.


Funcionários disseram à CNN que os níveis atuais de equipamentos estacionados na área podem fornecer forças da linha de frente por sete a 10 dias e outras unidades de apoio por até um mês.


As tensões entre os Estados Unidos, a UE e a Rússia estão aumentando desde que a Rússia reuniu 100.000 soldados na fronteira com a Ucrânia. Mas a situação pode piorar rapidamente.


Os comentários de Schiff foram feitos pouco antes de o presidente dos EUA, Joe Biden, ter uma ligação com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy.


Biden disse a Zelenskiy que os EUA e seus aliados "responderão de forma decisiva" se a Rússia invadir mais a Ucrânia, de acordo com um comunicado da Casa Branca.


A ligação veio dias depois da segunda conversa de Biden com o presidente da Rússia, Vladimir Putin.


Nessa convocação, os dois presidentes concordaram em manter conversações entre representantes dos Estados Unidos e da Rússia em 9-10 de janeiro em Genebra, seguidas de conversações entre o Conselho da OTAN e a Rússia, além de uma reunião da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).


Segundo o porta-voz da Casa Branca, o presidente Biden destacou o compromisso dos Estados Unidos e de seus aliados e parceiros com o princípio de "nada sobre você sem você".


Em dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que os EUA estavam consultando parceiros europeus sobre a Ucrânia.


Durante uma reunião de Blinken com o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, ambos concordaram "que qualquer discussão sobre a segurança europeia acontecerá em coordenação e com a participação da União Europeia", disse um comunicado da UE após a reunião.


Em sua entrevista à CBS, Schiff também disse que uma invasão veria "mais ativos da Otan mais perto da Rússia. [Isso] terá o impacto oposto do que Putin está tentando alcançar".


"Temo que Putin provavelmente invadirá. Francamente, ainda não entendo toda a motivação de por que ele está fazendo isso agora, mas ele certamente parece interessado nisso, a menos que possamos persuadi-lo do contrário."


"E acho que nada além de um nível de sanções que a Rússia nunca viu vai detê-lo, e é exatamente o que precisamos fazer com nossos aliados."

8 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page