top of page
  • André Martins

Pare os vistos - a UE não é um destino de férias dos Russos

Os chamados turistas russos não devem poder viajar para a UE e os países Schengen. O Conselho da União Eropeia pode vir a decidir suspender os vistos de turismo já emitidos aos cidadãos russos e deixar de emitir novos.


O regime russo em guerra contra seu vizinho só pode existir com o apoio de seu próprio povo. A manutenção de um regime criminal tem um preço.


Além disso, esta não é mais apenas a guerra do regime de Vladimir Putin contra a Ucrânia – mas uma parte crucial da sociedade russa apóia essa guerra.


Já é tempo de até mesmo a parte mais rica da sociedade russa, ou seja, principalmente os moradores de Moscou, São Petersburgo e outras grandes cidades, se conscientizar de que a agressão contra outro país tem seu preço.


Até agora, os habitantes das maiores cidades da Rússia foram amplamente protegidos da guerra, porque a Rússia recruta seus soldados principalmente de regiões provinciais pobres.


Vários meses atrás, a Europa fechou seus céus para voos russos com a ideia de impedir que os cidadãos da Rússia em guerra viajassem para a Europa.


Também deve ser entendido que viajar para a Europa para férias ou compras não é algum tipo de direito comum.


Cidadãos da maioria dos países do mundo nunca receberão um visto de turista da UE, mesmo que seu país nunca tenha atacado nenhum país europeu.


Juntamente com o Parlamento Europeu, enviaram recentemente uma carta à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao presidente do Conselho, Charles Michel, e ao primeiro-ministro checo, Petr Fiala, apelando à suspensão da emissão de vistos de turismo a cidadãos russos.


Enfatizamos que, enquanto os cidadãos ucranianos estiverem sofrendo as atrocidades da guerra de agressão da Rússia, os cidadãos russos não devem ser bem-vindos na UE.


A proibição de vistos de turista não afeta os cidadãos russos que têm direito a vistos humanitários. Existem outras opções para eles.


Ao mesmo tempo, é necessário ampliar as sanções aos cidadãos russos responsáveis ​​pela guerra na Ucrânia e que apoiam as políticas agressivas do Kremlin.


Embora a UE já tenha tomado medidas restritivas contra vários cidadãos russos, a lista precisa ser expandida para abranger os mais de 6.000 cidadãos russos indicados pela Fundação Navalny contra a corrupção.


Esses 6.000 cidadãos russos devem ser proibidos de entrar na UE e seus bens aqui devem ser congelados.


Os cidadãos russos ainda poderão viajar. Quirguistão e Uganda acabam de confirmar sua grande amizade com a Rússia. Bons destinos para umas férias de praia e compras.


No entanto, a UE e Schengen não devem ser um destino de compras e férias para os cidadãos do Estado agressor, a Rússia.

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page