top of page
  • André Martins

Guerra na Ucrânia: armas modernas do Ocidente impedem avanço da Rússia em Donbas

Cinco nuvens de fumaça perfuraram um céu azul claro em uma encosta ao norte de Bakhmut, uma cidade agrícola quase deserta que está sob bombardeio russo há semanas.

O veículo - uma peça de artilharia autopropulsada com um enorme cano apontando para o sul em direção ao território controlado pela Rússia - é um César fabricado na França, uma das crescentes armas ocidentais sofisticadas que agora podem ser vistas movendo-se pelas estradas do país em Donbas. Dmitro, e muitos outros aqui, acreditam que estão ajudando a virar a maré contra a Rússia.


Para quem dirige perto das linhas de frente sinuosas da região leste de Donbas da Ucrânia - da cidade destruída de Slovyansk, no norte, às aldeias agrícolas abandonadas perto de Donetsk, no sul - pode parecer que os bombardeios aparentemente indiscriminados da Rússia continuam tão frenéticos como sempre.

"Isso não é vida para nós. Nenhum lugar é seguro. Sinceramente, gostaria que minha vida acabasse".

•disse Anna Ivanova, de 86 anos, curvando-se com a ajuda de uma bengala para arrancar ervas daninhas de seu jardim, enquanto dois Jatos ucranianos rugiam baixo.

Mas no canto de um campo de trigo nos arredores de Donetsk, o comandante de uma unidade de artilharia ucraniana que pediu para ser conhecido apenas por seu primeiro nome, Dmitro, foi inflexível. "Eles não estão atirando com tanta frequência. A taxa de fogo de artilharia [das forças russas] caiu pela metade. Talvez até mais, talvez em dois terços", disse ele, batendo na lateral de um grande veículo verde ao seu lado.



Com uma explosão ensurdecedora, o Caesar disparou o primeiro de três projéteis contra o que Dmitro disse ser uma unidade de infantaria russa e várias peças de artilharia a 27 km de distância.


"Estamos muito mais precisos agora. E podemos acertá-los muito mais longe", disse ele, com um sorriso. Em um minuto, a equipe de artilharia havia disparado mais dois projéteis, e o veículo já estava se afastando, rápido, antes que a artilharia russa tivesse a chance de rastrear sua posição e contra-atacar.


Nas últimas semanas, civis e soldados ucranianos assistiram, muitas vezes alegremente, como imagens de drones e outros vídeos enviados para a internet parecem ter mostrado uma série de explosões maciças em território controlado pela Rússia.


É amplamente divulgado que estes são grandes depósitos de munição, mantidos muito atrás das linhas de frente, mas agora ao alcance do armamento ocidental recém-chegado, incluindo obuses americanos Himars e poloneses Krab.


"Ouça esse silêncio", disse Yuri Bereza, um homem barbudo de 52 anos que comanda uma unidade de voluntários encarregada de defender Slovyansk. Por mais de uma hora em uma manhã recente, em uma visita a uma rede de trincheiras defensivas a leste da cidade, não se ouviu uma única explosão.


"Isso é tudo por causa da artilharia que você nos deu - por causa de sua precisão", disse Bereza. "Antes, a Rússia tinha 50 canos de armas para cada um que tínhamos. Agora está mais para cinco para um. A vantagem deles agora é insignificante. Você poderia chamar de paridade."


Mas Bereza, como Dmitro, enfatizou que a Ucrânia precisava de muito mais armamento ocidental para lançar uma contra-ofensiva eficaz.


"Eles não podem nos derrotar, e nós não podemos vencê-los aqui. Precisamos de mais equipamentos, especialmente blindados, tanques, aviação. Sem essas coisas haverá uma enorme perda de vidas. É assim que a Rússia está acostumada a travar guerras. Eles jogam vidas fora", disse Bereza.


"Idealmente, gostaríamos de três vezes mais [armas ocidentais] do que eles já nos enviaram. E rapidamente", confirmou Dmitro.


Mas a falta de armamento não é a única coisa que potencialmente frustra a determinação da Ucrânia de libertar o território capturado. Apesar do reduzido bombardeio russo, as forças do Kremlin continuam se aproximando da cidade estratégica de Bakhmut, levantando preocupações entre as forças ucranianas sobre a falta de mão de obra e treinamento.


"Aqui está um truque simples", gritou uma figura corpulenta, deitada em uma pista de terra e apontando seu rifle, cercada por quarenta soldados ucranianos atentos.


"Levante a perna assim", disse o homem, um ex-paraquedista britânico, que fazia parte de um grupo privado que oferecia apoio a uma brigada ucraniana que havia chegado recentemente para reforçar as linhas de frente.


Os ucranianos eram todos voluntários e tinham apenas alguns meses de treinamento básico. Seus comandantes chegaram a um acordo informal com os treinadores ocidentais, para um curso de cinco dias.


"Claro, é assustador. Eu nunca vi uma guerra antes", disse o comandante da unidade de 22 anos, um advogado, que pediu para não usarmos seu nome.


"Preocupante é o fato de que esses caras... não têm as habilidades básicas de soldado que o Ocidente está acostumado", disse outro treinador, Rob, ex-fuzileiro naval dos EUA.


Por enquanto, os governos ocidentais se recusaram a enviar funcionários, ou contratados, para a Ucrânia para ajudar nos esforços de recrutamento e treinamento militar. Um punhado de organizações privadas está operando aqui, de forma independente.


"É uma gota no oceano. Mas faz diferença, em pequena escala", disse Andy Milburn, coronel aposentado da Marinha dos EUA, enquanto assistia a uma sessão de treinamento.


Ele enfatizou que seu grupo de Mozart tinha "zero" contato ou apoio do governo dos EUA, mas criticou as nações ocidentais por uma recusa "enjoada" e "míope" de se envolver mais diretamente.


"É ridículo. Mas esses caras perderam tantas pessoas que simplesmente não têm [instrutores ucranianos suficientes]", disse ele. "O Ocidente precisa planejar isso agora."



3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page