top of page
  • André Martins

Deixe-os comer insetos: Reino Unido pede que nações africanas famintas cultivem insetos

Projetos de ajuda na República Democrática do Congo e Zimbábue incentivam os habitantes rurais a comer insetos ricos em vitaminas e minerais.

Os gastos com ajuda do Reino Unido estão incentivando os africanos famintos a comer insetos, com projetos que visam desenvolver a prática na República Democrática do Congo e no Zimbábue.


Insetos comestíveis têm sido apontados como uma fonte de proteína eficiente em recursos, exigindo menos terra e água do que o gado convencional. No entanto, o gosto e a resistência cultural provaram ser obstáculos na extensão da prática em muitas partes do mundo.


Em um movimento para perceber os benefícios substanciais no papel da ingestão de insetos, um projeto de ajuda de £ 50.000 ( aproximadamente R$ 300.000) do Reino Unido na República Democrática do Congo está colocando lagartas africanas, gafanhotos migratórios e moscas-soldado negras no cardápio.

A iniciativa está sendo liderada nas províncias de Kivu Norte e Sul da RDC, onde a criação de gado é uma das poucas maneiras de ganhar a vida para os habitantes rurais. Mas à medida que a população dessas regiões cresce, o espaço para a pecuária está diminuindo e a pecuária está sobrecarregando o abastecimento de água.


Vinte e três espécies de insetos já são consumidas na região do Kivu do Sul, embora os congoleses não os cultivem, mas os colhem oportunamente, dependendo da época. Insetos comestíveis comumente consumidos na região incluem o gorgulho-da-palmeira-africano, o escaravelho, cupins e grilos.


A Agência Católica para o Desenvolvimento Ultramarino (Cafod), uma instituição de caridade na Inglaterra e no País de Gales, espera que os congoleses comecem a cultivar insetos de maneira industrializada. A Cafod não respondeu a uma pergunta sobre como pretendia usar o dinheiro.


Fiore disse que ele e sua equipe inventaram uma fórmula que combina minhocas mopane cultivadas localmente com cereais e frutas que não precisam ser importadas – um benefício significativo, já que a guerra na Ucrânia e o dólar forte tornam os alimentos cultivados no exterior cada vez mais inacessíveis.


Embora não queira divulgar sua receita antes da publicação dos dados do estudo, Fiore disse que seu mingau à base de insetos continha grãos, incluindo sorgo e milho. Ele disse que tinha certeza de que o prato era saboroso, com sua equipe de pesquisa realizando testes de sabor do consumidor na Escócia, um país há muito associado ao mingau.

Preparar a refeição à base de insetos é apenas a primeira etapa do projeto. Um teste de controle randomizado será realizado para ver se as crianças que comem o café da manhã têm melhor desempenho na escola e se seu peso se torna mais saudável.


Sarah Beynon, fundadora da "Bug Farm" em Pembrokeshire e entomologista acadêmica, disse que projetos de ajuda que promovem insetos comestíveis são “uma maneira segura de salvar vidas e melhorar a nutrição das pessoas mais pobres do planeta Terra”.


Ela disse: “Também estamos incentivando ativamente as pessoas no mundo desenvolvido a incluir insetos em suas dietas".


Ambos os projetos de ajuda foram financiados pela Pesquisa e Inovação do Reino Unido (UKRI), um órgão do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial.


Um porta-voz do UKRI disse: “Apoiamos projetos de pesquisa específicos com financiamento, mas prevemos que os aprendizados e conhecimentos adquiridos beneficiarão os cidadãos de todo o mundo, independentemente de sua situação econômica. Os benefícios proteicos e ambientais do consumo de insetos foram amplamente divulgados globalmente”.

4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page